Passeios de TREM em CURITIBA

Se tem um passeio que você precisa fazer quando visitar Curitiba é o de trem até Morretes.

Sabemos que Curitiba tem muitos parques, museus, teatros e centros culturais, mas definitivamente reserve um dia para curtir um passeio diferente, à moda antiga, que te leva pelo meio da maior Reserva de Mata Atlântica do Brasil e finaliza em uma cidadezinha histórica charmosa, à beira-rio. Que tal, gostou?

Veja também nosso ROTEIRO de 3, 5 e 7 dias por CURITIBA

Então saiba tudo sobre os passeios de trem de Curitiba nesse post. Fique ligado que vamos falar dos tipos de vagões, dos pacotes oferecidos e dar as melhores dicas para você.

Passeio de Trem de Curitiba até Morretes

Há alguns anos existiam dois trechos do passeio de trem: um de Curitiba até Morretes e outro de Morretes até Paranaguá. A ferrovia que liga as cidades foi finalizada em 1884 e teve em 1885 sua viagem inaugural contando com a presença ilustre de Princesa Isabel e do Conde D’Eu – chique né? – e funciona até hoje do mesmo jeitinho.

Porém, atualmente, o percurso até Paranaguá não é mais oferecido, devido, principalmente, ao grande tráfego de trens de carga até a cidade portuária mais importante do Paraná. Já o passeio até Morretes continua.

Que tipo de passeio posso reservar?

A agência de turismo Serra Verde Express, responsável também pelos trens, oferecem pacotes. Há o de ida e volta Curitiba-Morretes, mas também é possível (e super recomendável!) comprar apenas os trechos. Explicamos.

O trajeto de Curitiba a Morretes percorre 110 km e demora, em média, 4h. Ele é demorado pelo tráfego compartilhado com trens de carga que vão à Paranaguá e utilizam as mesmas linhas férreas. Por isso há várias paradas e esperas – inevitável. Se isso acontecer, saiba que é normal e é só curtir o passeio!

Assim, ir e voltar de trem é bastante cansativo (seriam 8h no trem!) e o visual é o mesmo.

Por isso, é preferível ir de trem até Morretes e voltar de ônibus ou van (ou se estiver em grupo grande até dividir um táxi ou Uber) pela Estrada da Graciosa, conhecendo paisagens diferentes e belíssimas da Serra do Mar. Ou é possível ir até Morretes de ônibus e retornar com o trem até Curitiba – oportunidade para apreciar um pôr do sol sensacional nas montanhas!

ESTRADA DA GRACIOSA: Reserva da Biosfera da Mata Atlântica

Algumas agências oferecem o passeio de trem até Morretes e lá esticam (rodoviário) até Paranaguá, onde fazem um city tour. Ou ainda vão até Pontal do Sul e de lá de barco até a Ilha do Mel. Esse último pode ser ainda mais exaustivo. A travessia demora cerca de 30 minutos até a ilha e sobra pouco tempo para curtir esse recanto doce do litoral paranaense (que sugerimos seja uma viagem só para lá – um final de semana fica perfeito!). O retorno é de van ou ônibus, geralmente passando pela Serra da Graciosa para apreciar a paisagem.

Conheça mais sobre a ILHA DO MEL e planeje sua viagem pra lá!

E como é o passeio de trem até Morretes?

Você sairá da Rodoferroviária de Curitiba, onde a estação de trem é aos fundos da estação de ônibus.

08h30min são as saídas diárias durante o período da alta temporada – janeiro, fevereiro, de 15 a 31 de julho e dezembro, e feriados. Na baixa temporada (março a junho e de agosto a novembro) o passeio acontece apenas nos finais de semana (sexta-feira, sábado e domingo). Há também alguns vagões de luxo (veja mais abaixo) que saem às 09h30min, por isso é fundamental confirmar o horário na hora da compra do pacote.

Guias acompanham todo o percurso e vão comentando sobre os principais pontos turísticos e sobre a Serra do Mar.

O trem tem o trajeto por trechos lindos, como o Conjunto do Marumbi – dentro do Parque Estadual do Marumbi – onde está o Pico do Paraná, a montanha mais alta do Estado, e a queridinha do paranaense Waldemar Niclevicz, o primeiro alpinista brasileiro a escalar o Monte Everest, o K2 e os Sete Cumes.

O trem passará também pelas Estações Engenheiro Lange e do Marumbi, e pelo Santuário Nossa Senhora do Cadeado, construído em 1960 em formato de cadeado. O Caminho do Itupava passa junto ao Santuário. Esse caminho era o único antes da ferrovia a ligar Curitiba ao litoral, e hoje é trilha obrigatória dos ecoturistas da região.

O percurso segue por várias cachoeiras, vales verdinhos, 14 túneis e vários pontilhões, um com 55 metros de altura! Muitas fotos pelo caminho, especialmente nas curvas da ferrovia – prepare a máquina!

Se você optou pelo pacote com o trem das 8h30min, por volta do meio dia você estará desembarcando na Estação de Morretes. Se foi com o das 9h30min, 14horas é a chegada à cidade litorânea.

Você está conferindo dicas dos passeios de TREM em CURITIBA. Se está gostando, compartilhe no seu Facebook, ou tuíte, e convide os amigos e toda família para esse passeio diferente e inesquecível!

Compartilhe no FacebookCompartilhe no Twitter

Já em Morretes, alguns pacotes incluem um tour até Antonina, cidade vizinha. A parada é no Mirante do Valente, de onde se tem uma bela vista da Baía da Paranaguá. Pertinho do mirante estão várias ruínas de casinhas coloniais dos tempos áureos da região. A Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar também chama atenção pela arquitetura no estilo barroco, datada de 1722 e restaurada nos anos 90.

Após o tour, é hora de provar o delicioso Barreado, o prato típico da região. É uma carne ensopada feita em panela de barro com muitas horas de cozimento. O tempero é delicioso e acompanha arroz, bananas e farofa.

Aqui uma dica importante para os que gostam de gastronomia regional. Se você é do tipo que procura o melhor lugar para comer o prato típico local, sugerimos pesquisar os restaurantes antes de ir. Às vezes o indicado pelo guia do passeio não é o mais saboroso. Indicamos para o Barreado o Empório do Largo (à beira-rio), o Casarão (com o Sr. Banana divertindo as crianças), o Restaurante Bistrô da Vila (bem ecológico), o Villa Morretes (super charmoso) ou o Nhundiaquara (cartão-postal de Morretes). Todos os três servem os pratos saboroso e à moda paranaense.

Veja também outros PASSEIOS DE TREM PELO BRASIL

Depois do almoço, a sobremesa pode ser um delicioso sorvete e o passeio pelas margens do Rio Nhundiaquara e pelas ruelas de Morretes, que preserva muito da arquitetura e estilo da época da sua fundação, em 1733. Se estiver com tempo e disposição, pode até descer de boia o rio, brincadeira tradicional da região e que dá aquela refrescada nos dias quentes.

Se gosta de arte pode conhecer o Instituto Mirtillo Trombini, que tem um restaurante e café também, ótimo para finais de tarde.

Se você volta para Curitiba com o trem, ele sai às 15horas de Morretes. Do contrário, é possível pegar ônibus da viação Graciosa, em vários horários até a capital. Ou mesmo, como já citamos, se você estiver em grupo, vale marcar com um Uber ou Táxi.

O passeio ao inverso também pode ser feito, chegando em Morretes via Estrada da Graciosa, e retornando de trem com um belo pôr do sol.

Como é o trem e que tipos de vagões existem?

Os passeios são classificados de acordo com o tipo de trem (litorina ou turístico) e estilos dos vagões. Veja cada um para escolher sem errar.

Trem Turístico

Econômico: é o vagão mais simples, como um ônibus, onde os bancos são dispostos em fileiras. São 88 lugares e não há serviço de bordo e nem guia.

Turístico: nesse vagão os bancos são dispostos em fileiras e são estofados, mas sem luxo. É possível abrir a janela e curtir a paisagem (com muito cuidado devido aos postes e túneis, claro!). É servido um lanchinho e nesse vagão tem banheiro.

Camarote: no trem mais “comum” há um vagão com 7 camarotes. Eles são abertos e compostos de uma mesa com lugar para 2 ou 4 pessoas. Se estiver em família, é uma boa pedida! Também é possível abrir a janela e o vagão dispõe de um banheiro.

Imperial: nesse vagão você se sentirá em 1930, pois a decoração é clássica e belíssima – parece um filme! É um espaço mais exclusivo, apenas 20 pessoas vão nessa área que é dividida em mesas para 2 ou 4 pessoas. É possível abrir as janelas para apreciar a vista. Não tem banheiro, mas dá para ir nos outros vagões.

Litorina – Trem de Luxo

Esses trens geralmente saem 9h30min, mas sempre confirme antes!

Litorina Standard: são os famosos Carros Budd, para quem conhece um pouco da história ferroviária, sabe do sucesso que esses vagões faziam. São 44 lugares com bancos estofados dispostos em fileiras. Há guia bilíngue acompanhando a viagem e lanche com bebida a vontade. O vagão tem ar condicionado, portanto não abre a janela, e também tem banheiro.

Luxo: nesses vagões você realmente se sentirá em um filme da década de 40! São poltronas em veludo ou tecido, com mesinhas e uma decoração primorosa. Existem 3 vagões: o Copacabana, o Foz e o Curitiba. Os dois primeiros abrigam (cada um) 23 pessoas e o Curitiba (mais moderno) acomoda até 40. Super exclusivos, dão direito a um espumante de boas vindas, serviço de bordo com lanche diferenciado e bebidas. Possuem ar condicionado, portanto não abrem a janela, e banheiro. É o único trem que para no mirante e Santuário da Nossa Senhora do Cadeado para fotos, mas tem datas certas – veja antes de comprar.

O passeio na Litorina de Luxo já foi eleito pelo jornal americano The Wall Street como um dos três passeios mais interessantes do mundo – vai perder?

DICAS IMPORTANTES: é sempre bom fazer a compra das passagens ou pacotes com antecedência, pois principalmente aos finais de semana os trens lotam. Leve sempre documentos para embarque (como RG ou CNH) e também para as crianças.

Para preços e datas disponíveis para os passeios, acesse o site serraverdeexpress.com.br.

Por Guia Viagens Brasil Texto: Thaisy Sluszz Fotos:  Ricardo Junior 22 de maio de 2018