Estrada da Graciosa: Reserva da Biosfera da Mata Atlântica

Publicidade

A Estrada da Graciosa é um marco histórico no Paraná. O trajeto passou a ser explorado no início do século 18 pelos tropeiros, serviu de passagem do imperador Dom Pedro II e sua comitiva em 1880 – quando da sua visita oficial ao Paraná, teve seu calçamento finalizado em 1873 e era a única via entre o litoral e a capital até 1970 – quando foi inaugurada a BR-277. Hoje, a PR-410, como é oficialmente chamada a Estrada da Graciosa, é um caminho alternativo que liga o município de Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba, à cidade de Antonina e proporciona um passeio belíssimo para quem curte muitas curvas em meio a exuberante vegetação.

A Estrada da Graciosa passa pelo trecho mais preservado de Mata Atlântica do Brasil e, por isto, ele foi declarado pela UNESCO como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Além disso, a área por onde passa a Estrada abriga dois parques: o Parque Estadual da Graciosa e o Parque Estadual Roberto Ribas Lange, ambos com muitas atrações para os amantes da natureza.

O Trajeto

A Estrada da Graciosa faz parte do Circuito ‘Caminhos Históricos da Serra’ e seu início fica a 37 quilômetros de Curitiba, via BR-116 em direção a São Paulo. Logo na chegada, o visitante é recebido por um portal histórico, que marca o começo de uma descida espetacular de 1.050 metros de altitude pela Serra do Mar.

Portal histórico que marca o início da Estrada da Graciosa, próximo a Curitiba, no Paraná. Fotos de Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Portal histórico que marca o início da Estrada da Graciosa, próximo a Curitiba, no Paraná.
Fotos de Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Trinta e três quilômetros calçados em paralelepípedos com curvas sinuosas de mão dupla são emoldurados pelas montanhas, vegetação densa e preservada, muitas flores, riachos e cachoeiras. Este é o cenário da Estrada da Graciosa. Por isso, é importante ir devagar, para sua segurança e para aproveitar melhor o local. Em pontos estratégicos do percurso existem mirantes incríveis, onde se pode vislumbrar toda beleza da Serra do Mar.

Pela Estrada da Graciosa há vários recantos com boa infraestrutura de lazer, incluindo quiosques, churrasqueiras, sanitários e algumas lojinhas de produtos típicos. Ótimos lugares para um lanche ou para o churrasquinho de domingo com a família e amigos, sempre respeitando a natureza e os demais frequentadores.

Atrações

Curva da Ferradura é o primeiro recanto, que junto com o Rio Cascata (onde há uma linda queda d’ água) e o recanto Parque Mãe Catira reúne a maioria dos turistas. O recanto Grota Funda tem um visual incrível para o vale formado pelas montanhas, e dos mirantes de Engenheiro Lacerda e Bela Vista já é possível apreciar todo o visual da Baía de Paranaguá.

No Parque Mãe Catira ainda é possível se banhar nas águas geladas do rio que corta a Graciosa e é onde fica a ponte de ferro sobre o Rio Mãe Catira, por onde passa o trem Serra Verde Express, que faz um passeio agradável até Morretes ou Paranaguá – este último percurso apenas nos finais de semana.

Uma atração imperdível para quem gosta de trekking é o Morro Mãe Catira, ponto alto (literalmente) da Estrada da Graciosa. Passando pelo portal de entrada e pelo Rio do Corvo, logo se avistará a Casa de Pedra, uma antiga construção que marca o início da trilha que leva ao alto do morro. O percurso é entre mata fechada e uma via rústica, mas o visual do alto é gratificante, com o Pico Paraná e o Conjunto Marumbi em destaque. Quem quiser, pode esticar o passeio até o chamado Olimpo, com 1.539 metros, que é conjunto de oito montanhas principais, com direito a passagem pela histórica Estação de Trem Marumbi, de 1885, que hoje serve de apoio aos trilheiros e ciclistas.

Mas, para curtir bem a Estrada da Graciosa em um dia e, principalmente, os recantos, é preciso acordar cedo, pois nos finais de semana e feriados o trajeto é bastante procurado.

Há possibilidade também de acampar em espaços reservados nos recantos e na vila Mãe Catira. Para quem curte barraca e está sem carro, antes de Morretes, o trem faz uma parada na Estação do Parque Estadual do Marumbi, onde é possível pernoitar, sendo necessário apenas preencher um formulário de visitação na administração do Parque que fica na estação. Informações pelo fone (41) 3432-2072.

Ao fim da descida está a vila de São João da Graciosa, onde as nascentes que existem na Serra do Mar se transformam no Rio Nhundiaquara, que banha também Morretes e Antonina, cidades históricas que deixam o final do passeio ainda mais interessante. Aproveite a passagem por lá para saborear o barreado, prato típico do litoral paranaense servido nos restaurantes locais.

Para descer

O carro não é a única opção para quem quer curtir a Estrada da Graciosa. Para os amantes das duas rodas tem opção de ir de moto ou bicicleta. Os que gostam de pedalar devem seguir pela ciclovia por dentro de Quatro Barras e pegar o trajeto antigo da Graciosa, cujo percurso é mais demorado, com cerca de 5 horas entre a capital e o litoral.

O retorno para Curitiba geralmente é feito a partir de Morretes e quem desceu de bike pode voltar de trem, que apresenta outras belas paisagens. Passeio completo!

Por Guia Viagens Brasil Texto: Fotos:  26 de Maio de 2015

Receba dicas de viagem


Insira seu email para receber artigos exclusivos e dicas de passeios imperdíveis!





Gostou? Divulgue este artigo para seus amigos!

DICAS RECENTES DO BLOG

Procurando dicas de viagens pelo Brasil?
Cadastre seu email e receba dicas exclusivas:

Editorial - Contato - Anuncie Grátis - Área de Anunciantes - Seja um colaborador

© Copyright 2013 - 2018 - Guia Viagens Brasil - Mapa do Site