PARQUES DE CURITIBA: destino verde do verão

Publicidade

Curitiba é a capital mais fria do país e em pleno verão não é difícil encontrar suas praças e parques mais vazios que em outras estações. Isto porque muita gente, nas férias, foge para praia ou para o interior do Estado, deixando a capital paranaense para quem gosta da tranquilidade e muito verde urbano. Os parques da cidade são o atrativo principal e motivo de orgulho para os curitibanos. Ao todo são 33 parques, sem contar com praças e algumas pequenas áreas de lazer espalhadas pelos bairros. O Jardim Botânico e o Parque Barigui são os mais procurados, mas há muitas belas opções para apreciar a natureza, caminhar, brincar com as crianças, conhecer a cultura dos imigrantes, ou simplesmente relaxar. E para que você aproveite ainda mais Curitiba, separamos alguns parques sensacionais e de fácil acesso para você visitar. O transporte público da capital é muito bem servido e atende aos vários parques. Há opção também de embarcar no tour da Linha Turismo, que faz um roteiro definido passando por alguns dos parques abaixo. Cabe lembrar, que a Linha Turismo é paga (R$ 30,00 com direito a 4 paradas), mas a entrada em todos os parques é gratuita.

Jardim Botânico

O Jardim Botânico é o cartão-postal mais famoso de Curitiba e funciona como um centro de pesquisas da flora do Paraná. A educação ambiental é o foco do local, que conserva a natureza regional por meio da mata preservada, dos belos jardins floridos e das plantas internas à estufa de ferro e vidro, inspirada no Palácio de Cristal de Londres. O jardim principal é de inspiração francesa, com canteiros geométricos e delimitados. A visitação é de segunda a domingo 6h às 21h (verão) e 6h às 20h (inverno). É facilmente acessado pela linha do ônibus biarticulado (Centenário-Campo Comprido), com parada no tubo Jardim Botânico.

A estufa de vidro no Jardim Botânico de Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

A estufa de vidro no Jardim Botânico de Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Parque Barigui

O Parque Barigui era uma antiga sesmaria da região e foi transformada em parque em 1972, pelo então prefeito Jaime Lerner, sendo um dos mais antigos de Curitiba. Por sua localização (próximo à rodovia para o interior do Paraná) e também pela facilidade de chegar de ônibus (o Terminal Campina da Siqueira recebe várias linhas de ônibus e fica a 4 quadras do parque), além de sua boa infraestrutura, o Barigui é o mais frequentado de Curitiba. Três bosques de plantas nativas preservam a mata original, que serve de abrigo a vários animais, como preás, quero-queros, tico-ticos, gambás, entre outros. No lago principal várias capivaras, patos, gansos e até um jacaré-do-papo-amarelo tomam seus banhos de sol nas margens, sem nunca terem incomodados os visitantes. Na área do Parque há também uma academia de ginástica, um bistrô, churrasqueiras públicas, um pavilhão para exposições, o Museu do Automóvel e um restaurante. O acesso é gratuito e o Parque fica aberto ininterruptamente. 

Parque Barigui, um dos mais antigos de Curitiba, no Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Parque Barigui, um dos mais antigos de Curitiba, no Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Bosque do Alemão

Localizado no bairro Jardim Schaffer, o Bosque do Alemão é um passeio ideal para ir com as crianças. O bosque é uma homenagem aos alemães, etnia que se estabeleceu em Curitiba a partir de 1833. No belo e agradável percurso entre as árvores é contada a história de ‘João e Maria’, ou ‘Hansel e Gretel’, em alemão, conto escrito pelos irmãos Grimm. Painéis de azulejo retratam os acontecimentos, até que em meio ao bosque está a Casa da Bruxa, ou Casa de Contos, que é uma biblioteca onde nos finais de semana ocorre a ‘Hora do Conto’ (às 11, 14 e 16h), com bruxas e fadas fazendo uma leitura teatralizada de contos infantis. Ao final da trilha, chega-se ao pórtico que reconstitui a Casa Milla, construída no início do século de arquitetura típica alemã. No outro extremo do parque está o Oratório de Bach, uma réplica de uma igreja presbiteriana de estilo neogótico, que abriga uma sala de concertos e lanchonete com produtos típicos. A entrada é gratuita e o Bosque funciona diariamente das 08 às 18 e a Casa da Bruxa 09 às 17h também todos os dias. Passam pelo local os ônibus Jardim Mercês-Guanabara (ponto atrás da Catedral); Interbairros II (verde) e Primavera e Bracatinga.

Fachada de construção típica alemã no Bosque do Alemão, em Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Fachada de construção típica alemã no Bosque do Alemão, em Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Bosque João Paulo II ou Bosque do Papa

O Bosque João Paulo II foi inaugurado em 1980 como forma de eternizar a passagem do Papa por Curitiba naquele ano. O projeto é do paisagista Burle Marx, que teve como prioridade a preservação da mata nativa. No interior do parque, há 7 casas típicas polonesas, construídas por volta de 1878, de troncos de pinheiro encaixados, sem uso de pregos. Dentro das casas o visitante conhece um pouco das tradições e cultura polonesa, uma etnia com forte presença no Paraná. O Bosque recebe várias festas da colônia polonesa no Brasil, com muita música e folclore, como na Swiconka – Benção dos Alimentos na Páscoa, na festa da padroeira Czestochowa, em agosto e no dia de São Nicolau, início das festas natalinas. Na saída do parque não deixe de provar a culinária típica polonesa no restaurante. O Bosque tem entrada gratuita e funcionamento ininterrupto e os ônibus para a região são Mateus Leme, Taboão, Vila Suíça, Abranches e a Linha Turismo (com a parada no Museu Oscar Niemeyer é possível ir caminhando até o Bosque, ou vice-versa). 

Casa típica polonesa no Bosque João Paulo II, em Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Casa típica polonesa no Bosque João Paulo II, em Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Parque do Trabalhador

Homenageando todos trabalhadores curitibanos, o Parque do Trabalhador abriga a maior floresta original de Araucárias do sul do Brasil, onde ocorre a associação do Pinheiro-do-Paraná com a Erva-Mate, a Imbuia e o Pinheiro-Bravo. A área de preservação está situada na Cidade Industrial de Curitiba, sendo que os dois bosques de floresta nativa abrigam vários animais, como o cachorro do mato, sabiá vermelho, gavião carijó, entre outros. O parque ainda possui play-ground, churrasqueiras, canchas de vôlei e futebol, além de pistas para caminhadas. O funcionamento é diário e ininterrupto, a entrada é gratuita e o ônibus para chegar ao parque é Interbairros IV – sentido Pinheirinho-CIC.  

Parque Tanguá

O local destinado para abrigar uma usina de reciclagem de caliça e lixo industrial foi transformado em parque em 1996 e inaugurado com jardins, espelhos d’água e portal em 1998. Logo na entrada do parque um grande jardim em estilo francês com canteiros de flores e espelhos d’água recepcionam o visitante até o mirante, com 65 metros de altura projetado acima da cascata. Dentro do parque está o Jardim Poty Lazzarotto, uma homenagem a este artista curitibano. No local também há um bistrô, uma loja e sanitários. Descendo a pedreira há trilhas para fazer e visitar o rio Barigui bem pertinho. Ótima caminhada. O parque tem entrada gratuita e funciona diariamente das 08 às 18h. O bistrô é das 09 às 21h. Passam pelo local os ônibus Nilo Peçanha, Vila Nori e a Linha Turismo.

Entrada e jardim do Parque Tanguá, em Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Entrada e jardim do Parque Tanguá, em Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Bosque de Portugal

Homenageando o povo português e sua grande influência cultural no Brasil, o Bosque de Portugal foi inaugurado em 1994 e recebeu, na ocasião, o então presidente de Portugal, Mário Soares. Em meio à mata nativa, com 20.850 m², e ao longo do riacho Tarumã foi construído a Alameda dos Cantares, um caminho de pedras com 20 pilares que abrigam trechos de poesias de autores luso-brasileiros, como Fernando Pessoa, Luiz de Camões, Manuel Bandeira, Cecília Meirelles, Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, entre outros. O bosque ainda abriga uma sede de escoteiros e fica localizado no Jardim Social. Funciona ininterruptamente de segunda-feira a domingo e pode ser acesso com o ônibus Hugo Lange.

Bosque Zaninelli ou Unilivre (Universidade Livre do Meio Ambiente)

O Bosque Zaninelli é uma viagem ao tempo para conhecer uma antiga pedreira de Curitiba, que explorava granito. O local é uma reserva ambiental desde 1992, com trilhas em meio a uma pequena floresta natural reconstituída e um lago. O Bosque abriga a Universidade Livre do Meio Ambiente – Unilivre, voltada para educação ambiental de maneira inovadora e informal. O parque fica no Pilarzinho e passam pelo local as seguintes linhas de ônibus: Interbairros II (verde); Santa Felicidade e Santa Cândida (laranja); Bracatinga, Jardim Kosmos e Primavera (amarelo); e a Linha Turismo.

A construção inovadora da Universidade Livre do Meio Ambiente, no Bosque Zaninelli, em Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

A construção inovadora da Universidade Livre do Meio Ambiente, no Bosque Zaninelli, em Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

 

Parque Lago Azul

O Parque Lago Azul é um dos mais novos de Curitiba, inaugurado em 2008, no Bairro Novo. A antiga fazenda tem a casa preservada que foi transformada em um bistrô, que serve vários quitutes saborosos. O local ainda abriga um moinho de milho no estilo antigo e um belo mirante, além de pistas de caminhada. O parque funciona ininterruptamente e o acesso é possível com o ônibus Umbará (laranja).

Parque Tingui

O Parque Tingui é uma homenagem dupla: o parque, em si, homenageia os índios tinguis, primeiros habitantes da região e o Memorial Ucraniano, anexo ao parque, celebra a Ucrânia e seus imigrantes que se estabeleceram no Paraná. O Memorial Ucraniano abriga a réplica de uma igreja ucraniana onde são realizados eventos culturais e exposições, além de uma loja, monumento em forma de pêssanka (ovos pintados à mão em filigranas para saudar a Páscoa) e um campanário, no estilo da arquitetura ucraniana. No local também está a Praça Brasil 500, construída em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil, com o formato de um disco de 15 metros de diâmetro e a rosa dos ventos. O Parque Tingui faz parte de um projeto mais abrangente da Prefeitura, que prevê a implantação de um parque linear em toda a extensão do Rio Barigui, unindo-o aos parques Tanguá e Barigui. O funcionamento é ininterrupto de segunda a domingo, com entrada gratuita, e o ônibus que passa no local é o Raposo Tavares – Vila Nori.

Memorial Ucraniano, no Parque Tingui, em Curitiba, Paraná. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Memorial Ucraniano, no Parque Tingui, em Curitiba, Paraná.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Por Guia Viagens Brasil Texto: Fotos:  15 de Janeiro de 2015

Receba dicas de viagem


Insira seu email para receber artigos exclusivos e dicas de passeios imperdíveis!





Gostou? Divulgue este artigo para seus amigos!

DICAS RECENTES DO BLOG

Procurando dicas de viagens pelo Brasil?
Cadastre seu email e receba dicas exclusivas:

Editorial - Contato - Seja um colaborador

© Copyright 2013 - 2018 - Guia Viagens Brasil - Mapa do Site