PARANAPIACABA: A Histórica Vila Ferroviária Inglesa do Brasil

Publicidade

Uma neblina no final de tarde esconde as antigas construções de madeira, os trilhos de trem e o maquinário abandonado, deixando amostra o relógio ‘Big Ben’. Não, você não chegou a Londres ou a alguma cidadezinha do interior da Inglaterra. Estamos no ABC Paulista, mais precisamente em Paranapiacaba, no alto da Serra do Mar, pertencente a cidade de Santo André.

Paranapiacaba surgiu devido à primeira ferrovia de São Paulo, que teve sua construção em 1865. A vila foi construída para abrigar os operários da companhia britânica São Paulo Railway, que trouxeram de suas raízes a arquitetura, com construções em madeira e até mesmo construíram uma réplica do famoso relógio ‘Big Ben’, que foi instalado na Estação. Com os trens transitando sem parar, prosperou e se tornou, na época, uma movimentada cidade com belos cenários naturais.

A Estação de Paranapiacaba com a réplica do relógio Big Ben, construído por volta de 1885. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

A Estação de Paranapiacaba com a réplica do relógio Big Ben, construído por volta de 1885.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Hoje, Paranapiacaba é conhecida pelo clima bucólico, pelo cemitério de trens, pela antiga ferroviária, museus e também pelas trilhas que seguem pela mata Atlântica da Serra do Mar.

Para chegar à vila, nada mais gostoso que viver o clima ferroviário desde a Capital. Da Estação da Luz, em São Paulo, aos domingos às 08:30min (exceto no segundo domingo do mês) sai um trem que faz um passeio até Paranapiacaba, passando por belas paisagens e pelos municípios de Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires. O retorno acontece às 16:30min. Mas também há ônibus frequentes e, se preferir maior liberdade, o carro é sempre a opção.

Para conhecer a história dos trens no Brasil e de Paranapiacaba, visite o Museu Ferroviário, cujo acervo dispõe de vários objetos da época áurea do funicular, o sistema de cabos usado para movimentar os trens em planos inclinados. Aos fins de semana, na área do Museu há um passeio de Maria Fumaça para relembrar o glamour deste meio de transporte na época.

Passeio de Maria Fumaça na área do Museu Ferroviário, em Paranapiacaba, Santo André, São Paulo. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Passeio de Maria Fumaça na área do Museu Ferroviário, em Paranapiacaba, Santo André, São Paulo.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Para os amantes do tema, anualmente, na segunda quinzena de novembro, ocorre o Encontro Brasileiro De Ferreomodelismo, que reúne mais de 4 mil admiradores de trens, que conhecem modelos de locomotivas, vagões e cenários em miniatura.

Para conhecer a vila toda, percorra a parte baixa conhecendo as construções históricas, um agradável passeio que pode ser feito a pé para apreciar melhor a arquitetura inglesa, com madeira pinho de riga, pintadas de vermelho ou coloridas. Dentre as edificações que merecem destaque estão o Clube União Lira Serrano, bem preservado, era o local dos bailes e espetáculos artísticos. Hoje o Clube abriga, anualmente, em julho, o concorrido Festival de Inverno, com apresentações musicais e exposições de fotografia e cerâmica.  O Mercado, que funcionava como um empório de secos e molhados e hoje é um centro cultural. A Casa Fox ou Casa da Memória, típica construção do século XIX com paredes duplas, porão em pedra e tijolos e forros de treliça na cozinha para escoar a fumaça dos fogões a lenha. E o Centro de Documentação em Arquitetura e Urbanismo – CDARQ, que expõe maquetes que mostram a formação urbana e a arquitetura em madeira de Paranapiacaba.

Visitantes passeando pela parte baixa da vila entre as antigas construções inglesas de madeira. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Visitantes passeando pela parte baixa da vila entre as antigas construções inglesas de madeira.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Compondo o cenário da vila, há uma construção imponente no lugar mais elevado da região. Era a casa do engenheiro-chefe, que podia fiscalizar toda a atividade dos operários lá do alto, que ainda oferece uma linda vista panorâmica da região. Hoje a casa abriga o Museu do Castelinho, que conta parte da história ferroviária brasileira e da vila de Paranapiacaba, do auge à decadência.

Antiga casa do engenheiro-chefe que servia de fiscalização das atividades ferroviárias, hoje Museu do Castelinho, em Paranapiacaba. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Antiga casa do engenheiro-chefe que servia de fiscalização das atividades ferroviárias, hoje Museu do Castelinho, em Paranapiacaba.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Paranapiacaba foi incluída entre os 100 monumentos mais importantes do mundo pelo Word Monuments Fund, organização não-governamental que atua na área de preservação do patrimônio histórico mundial. Além disso, a cidade e integra a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, reconhecida pela UNESCO pela preservação deste importante bioma.

E, com tanta natureza, Paranapiacaba é um polo para os amantes do trekking. Para começar a caminhada é necessário passar pela passarela sobre a linha do trem, que liga a área mais antiga à região alta, onde estão as saídas para diversas trilhas em meio a Serra do Mar. Antes de sair para caminhar, passe pela Igreja de Bom Jesus, datada de 1889. Ali é um ótimo local para apreciar a invasão da neblina aos finais de tarde, que chega aos poucos e cobre os casarios antigos.

Igreja Senhor Bom Jesus de Paranapiacaba, na parte alta da vila, oferece bela vista da região. Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Igreja Senhor Bom Jesus de Paranapiacaba, na parte alta da vila, oferece bela vista da região.
Photograph by Ricardo Junior / www.ricardojuniorfotografias.com.br

Outras trilhas são encontradas no Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, criado em 1993 para proteger a parte restante de Mata Atlântica e abrange uma área total de 400 hectares. Monitores guiam os visitantes pelo parque, onde é possível conhecer lagos, mirantes, cachoeiras e grutas em mais de 10 trilhas de níveis leve, médio e pesado. Além disso, o Parque oferece rapel, tirolesa, arvorismo e canoagem sempre em meio a bela natureza local.

As trilhas mais procuradas em Paranapiacaba são:

Água Fria: 30 minutos de caminhada por 1.200 metros em meio a Mata nativa, com passagem por nascentes de rios;

Poço Formoso: a mais curta com uma hora e meia de caminhada que leva até uma exuberante piscina natural com águas cristalinas;

Comunidade: uma caminhada média de uma hora e meia de duração leva até as antigas ruínas da comunidade do Alto da Serra;

Pontinha: 40 minutos de caminhada leve passa por meio da Mata preservada e é indicada para grupos grandes, pessoas da terceira idade e sem muito preparo físico;

Mirante e Cachoeira do Escondido: quase 1 hora de caminhada média dentro do Parque leva até um mirante com 1.015 metros, onde pela manhã em dias claros é possível avistar parte da Baixada Santista (Guarujá, Santos e Cubatão). Deste ponto segue-se até a Cachoeira do Escondido, com mais 90 minutos de caminhada em trechos mais íngremes;

Volta na Serra: com 8h ida e volta, é uma caminhada média por entre a Mata Atlântica preservada do Parque;

Raiz da Serra: mais longa de Paranapiacaba, é na verdade uma travessia com duração de 8h até a base da serra, em Cubatão. É preciso bom condicionamento físico para encarar a caminhada em meio a natureza com terrenos diversos;

Lago de Cristal (Cachoeira das Garças): 3 horas e meia de caminhada levam até uma piscina natural belíssima para um mergulho refrescante;

Cachoeira da Fumaça: com duração média de 3 horas, a trilha leva até um mirante dentro do Parque para apreciar a Serra do Mar e após 7 km à Cachoeira da Fumaça, com caminhos em meio a Mata Atlântica, onde é possível tomar um refrescante banho e nadar na piscina natural de águas claras e limpas;

Cachoeira dos Ventos: 8,5 km são percorridos em 4 horas de caminhadas pela exuberante parte da Mata Atlântica, que leva a várias piscinas naturais de águas cristalinas e, ao final, a Cachoeira dos Ventos, uma das mais altas da região.

Todas as trilhas devem ser percorridas com guias credenciados.

Então, se você está em São Paulo ou pertinho do ABC Paulista, Paranapiacaba é um agradável, histórico e belo passeio para um final de semana.

Por Guia Viagens Brasil Texto: Fotos:  27 de Janeiro de 2015

Receba dicas de viagem


Insira seu email para receber artigos exclusivos e dicas de passeios imperdíveis!





Gostou? Divulgue este artigo para seus amigos!

DICAS RECENTES DO BLOG

Procurando dicas de viagens pelo Brasil?
Cadastre seu email e receba dicas exclusivas:

Editorial - Contato - Anuncie Grátis - Área de Anunciantes - Seja um colaborador

© Copyright 2013 - 2018 - Guia Viagens Brasil - Mapa do Site