Guia Completo da Serra da Canastra

O estado de Minas Gerais é conhecido por suas cidades históricas e pela sua rica natureza. O turismo ecológico é muito comum aqui e um dos destinos preferidos é o Parque Nacional da Serra da Canastra.

Os queijos tornaram a Serra da Canastra famosa, mas outro motivo trouxe atenção para essa região: é aqui que está a nascente do Rio São Francisco. O parque foi criado justamente para proteger essa nascente e hoje é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Além do cenário único, você encontra muitas opções de passeio pela Serra da Canastra: canoagem, cachoeiras, cascatas, trilhas, rapel, passeios de 4 x 4, entre outras opções. Além disso, você pode criar sua própria programação de visitação e escolher o que explorar dentro do parque.

Justamente por sabermos o quão imenso é esse destino, preparamos um guia completo da Serra da Canastra para orientar melhor todos os visitantes.

Chapadão da Serra da Canastra MG

Chapadão da Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Indicamos pelo menos dois dias inteiros para poder explorar a Serra da Canastra e aproveitar os locais indicados em nosso guia. Dessa forma, fica um dia dedicado para a parte baixa e outro para conhecer a parte alta do parque.

Mostraremos dicas para aproveitar melhor o seu passeio, além dos principais pontos turísticos para conhecer na Serra da Canastra. Veja.

Antes de conhecer o Parque Nacional da Serra da Canastra

Por ser uma área protegida, todos os visitantes precisam saber de alguns detalhes sobre o parque antes de visitá-lo:

  • A entrada é das 08h até as 16h. É cobrada uma taxa administrativa para cada vez que você visita o parque;
  • Praticar caça é extremamente proibido em qualquer ponto do parque;
  • Não é recomendado andar com velocidades acima de 40 KM por hora nas estradas do parque.
  • É totalmente proibido levar bebida alcoólica e fazer churrasco no parque. Pode parecer lógico, mas o ICMBio já enfrentou alguns problemas com isso. Você pode entrar com comida, já que em algumas partes do parque não há restaurantes ou lanchonetes, mas precisa lembrar de recolher todo o seu lixo;
  • Animais domésticos também não são recomendados.

Cada um dos pontos acima pode ser denunciado por fiscais do parque e, até mesmo, pelos próprios visitantes. Eles ajudam a deixar o local cada vez mais preservado e seguro para todos.

O que fazer na parte baixa da Serra da Canastra

O primeiro grande atrativo após entrar na parte baixa do parque é uma ponte de madeira que passa sobre o Rio São Francisco. Dá para estacionar por alguns instantes e descer até o rio.

A nossa primeira trilha é a que nos levará até a Cachoeira Casca D’anta, a mais famosa do parque. A caminha é bastante tranquila e tem cerca de 3 quilômetros, sem grandes subidas. No caminho você ainda encontra um mirante, com uma vista única para a cachoeira e onde você pode parar para registrar seu passeio.

Cachoeira Casca D'Anta - Serra da Canastra, MG

Cachoeira Casca D’Anta – Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Na chegada da Cachoeira Casca D’anta você encontra muitas pedras e é importante estar com o calçado certo – com antiderrapante – pois todas são bastante escorregadias. O poço formado pela cachoeira é bastante profundo e com muitas pedras. Há uma placa indicando o risco de afogamento.

DICA IMPORTANTE: há uma trilha que levará você até o topo da Cachoeira Casca D’anta. Ela fica na parte alta do parque e é bastante acessível. Você pode fazê-la para conhecer a cachoeira sob os dois olhares. No entanto, é um percurso bastante íngreme e com caminhada de aproximadamente 3 horas.

Daqui você pode seguir até o Morro do Carvão, onde dá para avistar todo o parque e é um dos cenários mais bonitos dessa região. No topo do morro há um restaurante onde dá pra parar e fazer suas refeições aproveitando a vista.

Outra dica preciosa são as paradas de volta para a entrada do parque. Você encontra diversas casinhas com piscinas naturais de águas bastante cristalinas. Algumas os donos cobram uma pequena taxa para acesso.

O que fazer na parte alta da Serra da Canastra

A parte alta do Parque Nacional da Serra da Canastra é uma das mais desejadas pelos visitantes por ser aqui onde está a nascente do Rio São Francisco, cartão-postal da região. Outro grande motivo é que, por ser uma região mais isolada, as chances de encontrar as diversas espécies selvagens que vivem no entorno do parque são maiores.

Tamanduá-bandeira na Serra da Canastra, MG

Tamanduá-bandeira na Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Veado-campeiro no Parque Nacional da Serra da Canastra

Veado-campeiro no Parque Nacional da Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

A entrada para a parte alta do parque é pela portaria que fica em São Roque de Minas. Dependendo do seu hotel ou pousada, é possível encontrar guias e passeios completos por toda a região. Do contrário, você facilmente encontrará agências vendendo pacotes com o trajeto.

Nas outras cidades você também encontra essa opção de serviço, mas provavelmente custará um pouco mais. A nossa dica é você chegar em São Roque de Minas para, posteriormente, contatar o passeio.

Coruja-Buraqueira da Serra da Canastra

Coruja-Buraqueira da Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Outro ponto importante é: não contrate passeio com carros comuns. As estradas de acesso até a parte alta do parque são mais arenosas e você pode ter problemas para chegar.

DICA IMPORTANTE: nesta parte do parque você não encontra nenhum tipo de restaurante ou lanchonete vendendo refeições. Por isso, não esqueça do seu lanche – dê preferência aos alimentos mais leves e que não correm risco de estragar no caminho – e de uma boa reserva de água. Também se lembre de carregar consigo sacos para recolher os resíduos.

Mirante Parte Alta Casca D'Anta - Serra da Canastra, MG.

Mirante Parte Alta Casca D’Anta – Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Da primeira portaria do parque até a nascente – provavelmente seu primeiro ponto de visitação – são 6 quilômetros. A nascente está em uma altitude de aproximadamente 1.300 metros e percorre 14 quilômetros até a queda da Cachoeira Casca D’anta. Daqui o rio segue o percurso até o oceano, entre Sergipe e Alagoas.

Chegando até a nascente há uma placa indicando o ponto e uma estátua de São Francisco de Assis. Para alguns, esse também é um ponto de orações, pedidos e onde muitos pagam suas promessas.

Não há muito o que fazer, mas é praticamente impossível você querer visitar o Parque Nacional da Serra da Canastra e não fazer essa parada.

No caminho entre a nascente e a primeira cachoeira, você encontra o Curral de Pedra, um antigo lugar para ordenha de gado de leite. O curral está aqui antes mesmo de o parque ser criado e foi mantido para visitação. Os muros de pedras estão intactos até hoje. Vale a pena a parada.

A para chegar até a parte alta da Cachoeira Casca D’anta você pode caminhar ou seguir um trajeto de carro. Aqui há uma piscina natural com águas bastante calmas. Dá para aproveitar um pouco as águas do São Francisco, já que na parte baixa não indicam o banho.

Cachoeira Casca D'Anta Parte Alta - Serra da Canastra, MG

Cachoeira Casca D’Anta Parte Alta – Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Entre as cachoeiras que ficam nesta parte do parque, destacamos:

  • Cachoeira Rasga Canga;
  • Cachoeira de Lavra e Cachoeira de Lavrinha. O acesso até as duas cachoeiras é pouco sinalizado. É importante parar para pedir informações, caso você não tenha contratado um guia;
  • Córrego da Cachoeirinha. O lugar tem as águas menos geladas de toda a região e você encontra muitos peixinhos para nadar junto. O córrego fica no caminho de São José do Barreiro. Você logo avistará um pequeno poço com uma água muito azul e chamativa.
Cachoeira Rasga Canga - Serra da Canastra

Cachoeira Rasga Canga – Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Turismo gastronômico

Como citamos anteriormente, a Serra da Canastra ficou muito conhecida pelos seus queijos, que resultaram em diversos prêmios culinários. É comum ver fazendas e sítios que se dedicam na produção dos queijos e outros derivados do alimento.

Isso fez com que muitos turistas viessem até aqui também para experimentar essas iguarias. Mesmo que não seja o seu caso, vale a pena dar uma paradinha nas redondezas para saborear o queijo regional. O Sítio do Zé Mario e a Fazenda Agro Serra são dois dos produtores mais conhecidos e recebem nossa indicação de parada!

Queijo Canastra, Serra da Canastra, MG.

Queijo Canastra, Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Degustação de queijos na Serra da Canastra, MG

Degustação de queijos na Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Turismo de aventura

O turismo de aventura é, praticamente, o que movimenta o parque. Há lugares que vamos explorar mais abaixo e que valem a pena você conhecer. Há, por exemplo, as piscinas naturais da Fazenda do Tio Zezico, que fica no KM 15, no trajeto para o Morro do Carvão.

Principais cachoeiras da Serra da Canastra

O maior destaque aqui vai para a Reserva Natural Cachoeira do Cerradão. A Cachoeira do Cerradão é a mais alta da Serra da Canastra, com 202 metros de queda d’água divididos em 3 lances. A trilha de acesso até aqui tem cerca de 1,5 km, com algumas subidas mais íngremes. No percurso dá para praticar rapel e tirolesa.

A Cachoeira da Chinela, fica próxima da cidade de Vargem Bonita e vale muito  visita, além da beleza a trilha de acesso é bem tranquila com apenas 500 metros.

Cachoeira da Chinela - Serra da Canastra

Cachoeira da Chinela – Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

A Cachoeira do Fundão ou Gameleira tem o acesso um pouco dificultado, mas vale a pena. O caminho segue pela estrada principal e, por não ter sinalização, é sempre indicado buscar a ajuda de um guia.

A Cachoeira dos Leite ou Cachoeira do Antônio Ricardo está a 25 quilômetros de São Roque de Minas. O acesso aqui pede uma caminhada de 2 quilômetros e tem alguns obstáculos. Também é indicado fazer o percurso com um guia.

A próxima é a Cachoeira do Vento, com 150 metros de queda d’água, também apontada como uma das mais bonitas da Serra da Canastra. A trilha dessa cachoeira também é um pouco complexa, com caminhadas de aproximadamente 2 horas, que devem ser orientadas por um guia local.

Fazenda do Capão Forro

A Fazenda do Capão Forro é um atrativo bastante procurado pelos visitantes da Serra da Canastra. O local conta com algumas piscinas naturais, pequenas cachoeiras e atividades para os amantes do ecoturismo. Dá para praticar tirolesa, rapel, cascading, entre outros esportes.

A fazenda ainda conta com duas trilhas. Uma leva você até a Cachoeira do Mato e a outra é a Trilha da Picareta, que permite o visitante explorar mais da natureza local.

O acesso para a Fazenda do Capão Forro é cobrado e você pode se atualizar dos valores nas pousadas ou com guias locais.

Passeios alternativos da Serra da Canastra

Além dos destinos que indicamos em todo o nosso guia, você ainda pode aproveitar passeios alternativos e com mais aventura. Destacamos três deles:

  • Visitar o Centro de Aventuras Canastra-Babilônia: o local é bem parecido com a Fazenda do Capão Forro. Conta com atividades como tirolesa, bóia-cross, arvorismo e ainda dá acesso a Cachoeira da Crioula;
  • Fazer Trekking na Cachoeira Antônio Ricardo: essa atividade é mais indicada para turistas com bom preparo físico e experiência em caminhadas mais íngremes. É preciso passar por uma trilha de 1h30 e só é indicado fazer o passeio com guia local, pois não há sinalização. A trilha leva o turista até uma piscina natural de águas completamente cristalinas;
  • Ir até a Gruta do Tesouro: a Gruta do Tesouro também exige a contratação de um guia local. O acesso pede uma caminhada de 2 horas por entre rochas escorregadias e corredores estreitos.  

Como chegar na Serra da Canastra

O Parque Nacional da Serra da Canastra fica a cerca de 400 quilômetros de distância de Belo Horizonte. Para quem parte da capital de Minas Gerais, é preciso seguir pela BR-262.

Já para quem parte de São Paulo, a BR-381 é a via mais indicada e o trajeto tem aproximadamente 600 quilômetros de distância.

Para quem quer chegar aqui com um carro comum, a estrada de Canteiros é o melhor trajeto. Já para os visitantes com 4×4, podem optar pela travessia da Serra da Babilônia, que é um passeio incrível, mas considerado o caminho mais difícil devido suas estradas – principalmente se a sua viagem é no período das chuvas -.

Outras duas opções de caminhos, que são os mais conhecidos e indicados, principalmente, para viajantes inexperientes com o parque é por São Roque e Piumhi.

Veja outras dicas de como chegar na Serra da Canastra!

Gavião Carcará da Serra da Canastra

Gavião Carcará da Serra da Canastra, MG.
Fotos de Ricardo Junior – www.ricardojuniorfotografias.com.br

Onde ficar

Todos os visitantes da Serra da Canastra podem optar por se hospedarem nas cidades circunvizinhas. No entorno do parque você encontra muitos municípios, mas os mais populares e com maior estrutura hoteleira são: São Roque de Minas, São José do Barreiro e Vargem Bonita.

VEJA TAMBÉM: Principais hotéis e pousadas da Serra da Canastra

Dá para encontrar alguns pequenos hotéis, pousadas, hostels e casas por temporada. A escolha por cada um deles vai depender do número de viajantes, do orçamento e da estrutura desejada. Você, certamente, encontrará a melhor opção para seu orçamento e gosto.

Além disso, o Parque Nacional da Serra da Canastra ainda conta com diversos espaços para acampamento. Os turistas que quiserem se aventurar pelas trilhas por mais de um dia, podem acampar em diversos pontos do local.

 

Quando ir

A Serra da Canastra está acessível o ano inteiro, mas dependendo dos passeios que você quer fazer, evitar a época das chuvas é muito importante.

De novembro até março é quando as rotas ficam mais complicadas. As chuvas são constantes e algumas estradas ficam quase que inacessíveis ou são dificultadas. Todos os trechos dentro do parque são de estradas de terras, se você vem para cá em um período chuvoso, provavelmente, terá dificuldades de atravessar cada um deles.

DICA IMPORTANTE: independente de ser um período chuvoso ou não, se você decidiu alugar um carro, opte por veículos off-road ou 4×4 para não ficar preso nas estradas com mais terra. Os atolamentos são muito frequentes em carros sem tração nas quatro rodas.

Para não correr esse risco, a melhor época ainda é de abril até outubro, durante o período da seca. Chove menos, o clima está mais ameno e você consegue aproveitar todos os pontos turísticos do parque.

 

O que achou do nosso Guia Completo da Serra da Canastra? Depois que retornar da sua aventura, conta para nós como foi a viagem. Também não esquece de compartilhar este post nas suas redes sociais, marcando seus amigos que gostam de destinos mais naturais!

 

Por Guia Viagens Brasil Texto: Guia Viagens Brasil Fotos:  Ricardo Junior 07 de julho de 2020


Anuncie seu Estabelecimento no Maior Portal de Turismo